Uma nova colonização começou


Em um artigo recente de Stephen Baskerville (http://www.ruthblog.org/2013/07/25/why-were-losing-the-battle-for-marriage/), ele reflete sobre como a estratégia que tem sido usada para salvar o matrimonio, não está funcionando. Evidentemente, o artigo tem sido escrito a partir da realidade Americana, mas tendo em conta que os Estados Unidos e a União Européia estão usando muitos dos seus recursos para promover uma nova colonização ideológica, a qual está exportando sua visão do mundo, através das “ajudas humanitárias” e a pressão política aos governos da América Latina, Africa, Asia e Europa.

Não em vão, David Cameron, Primeiro Ministro da Inglaterra, afirmou que “queria exportar o casamento homossexual ao redor do mundo.” Se deseja ler toda a notícia poderá fazer seguindo aqui: http://www.telegraph.co.uk/news/politics/10200636/I-want-to-export-gay-marriage-around-the-world-says-David-Cameron.html

O problema da colonização é que ela começa muito antes do que percebemos. Por exemplo, antes da colonização portuguesa chegasse ao Brasil. Em Portugal já existia uma conversa na Corte do Rei, e se estavam tomando as providencias para levar adiante a colonização do novo mundo.

Eu acredito que Stephen Baskerville nos ajuda a perceber alguns pontos importantes no que está acontecendo a nível global sobre o novo processo de colonização (ideológica). Enquanto muitas pessoas só observam e criticam tal movimento, ou o casamento gay; se esquecem, perceber que o matrimonio não foi destruído, ou danificado, pelos homossexuais, mas todo começa quando os pais abandonam a família. Vivemos em uma sociedade sem pais. Recentemente, leia uma frase que dizia, “qualquer tolo pode fazer um filho, mas fazer ser pai requer um homem.”

Estudos atuais mostram a importância do pai na família e, ao mesmo tempo, como ele tem sido a peça mais fraca dentro da família. Todas as comunidades humanas onde o pai não desenvolvem o seu papel, como cabeça da família de forma saudável, termina causando conflitos sociais maiores dos que damos importância.

As próprias Escrituras nos ajudam a perceber este fato quando dizem, "deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne" (Gênesis 2:23-24). Não é a mulher que deve abandonar os seus laços anteriores mais o homem, porque o homem é quem deve tomar a iniciativa de ser o líder do lar e passar de ser a peça débil da família para ser a peça central dela.

O segundo ponto, o qual precisamos reconhecer, é que não forma os homossexuais os que destruíram o casamento, mas os casais que tomaram os votos do Matrimonio levemente. O divorcio tem causado um gravíssimo impacto na sociedade, e tem sido uma das principais causas pelas quais o Matrimonio se encontre em tal situação. Infelizmente, as igrejas não tem percebido a seriedade de tal questão, permitindo os seus membros casal e divorciar-se sem mais. Não em vão, existem muitos pastores, depois de ser infiéis, se divorciaram e voltaram a casal sem mais. Ou podemos falar dos cristãos que, nem casados estão, e vivem em pecado sem perceber a gravidade dos seus atos. Todos eles são responsáveis de que o Matrimonio se encontre hoje em uma situação de tal gravidade.

O Matrimonio precisa ser salvo da colonização que começou 50 anos atrás com a revolução cultural e o feminismo. E, hoje, nos encontramos nas nossas ruas, bairros, escolas, e cidades.

Se somos sérios sobre a importância do Matrimonio, além da questão do casamento gay, então precisamos confrontar o divorcio de forma agressiva e lutar para salvar os casamentos em perigo. A família construí pais saudáveis, mas o divorcio o destruí de forma inacessível. Isto parece hoje irreal, mas isto é devido a que levamos tantos anos vivendo as conseqüências do divorcio e os valores invertidos, que já nem percebemos mais o que é certo do que é errado.

Agora, está luta não se faz, somente, nas ruas e nos blogs, mas se faz no lar sendo um bom pai e um excelente marido. Aprendendo a ser um melhor homem, sendo um discípulo de Cristo. Se Jesus fala que temos que amar o próximo, temos que amar. Sejamos modelos de pais, se desejamos salvar o nosso amado Brasil, somente assim um Brasil novo será possível.

Tomei o tempo para ler o artigo de Stephen Baskerville e, depois, tomei o tempo para orar com sua esposa para juntos começar uma verdadeira caminhada de construir famílias saudáveis que sejam capazes de construir comunidades saudáveis, e tais comunidades edifiquem cidades saudáveis que a sua vez construíam um Brasil onde Jesus Cristo seja o Rei de Reis, e Senhor de Senhores.

Nos decidimos se o Brasil será uma colonia do Céu, ou se terminaremos sendo parte da nova colonização do mundo.

A Deus seja toda a glória, agora e para sempre. Amém.

+

0 comentários: