Somos 42,3 milhões de ...


Ontem acordei lendo a notícia de que somos 42,3 milhões de evangélicos no Brasil. Acho que os evangélicos de todo Brasil se acordaram com um grande sorriso, enquanto alguma coisa dentro de mim ficou incomodada.

Estava feliz por ser quase tantas pessoas que já conhecem Cristo, mas será que realmente conhecem Cristo? Esta pergunta me surpreendeu nos meus próprios pensamentos. Com certeza, temos quase 25% da população que se chama evangélica e as igrejas estão cheias. Contudo, observo com certo descrédito tantas coisas que vejo neste Brasil amado.


Por um lado, sou consciente que o Brasil mudou sim. E como mudou. O Brasil está crescendo financeiramente, mais pessoas estão melhorando suas condições de vida e temos mais jovens que fazem estudos na universidade. Tudo isto são boas novas. MAS qual foi o papel da igreja neste processo?

Por outro lado, vejo entre os evangélicos atitudes, pecados e formas de pensar, dignas de um pagão. Os evangélicos temos crescido até quase chegar a 1 de cada 4 brasileiros ser evangélicos, mas isto significa que temos feito diferença real no Brasil?

Suponho que a resposta é SIM, e é NÃO. Porque o Brasil evangélico está tão diversificado que encontramos entre os evangélicos igrejas que são duvidosas, como a Congregação Cristã do Brasil ou a Igreja Adventista. Isso porque ainda não mencionei a Universal ou Mundial.

Acho que é uma boa notícia que Jesus crucificado, como falava o apóstolo Paulo, seja pregado, mas este deve ser o primeiro passo para uma transformação real de cada pessoa para ser uma mudança verdadeira do Brasil.

Agora, podemos ter certeza de que vamos ver os políticos tentando ganhar as simpatias dos evangélicos para depois votar leis absurdas contra as Escrituras e os Mandamentos de Deus.

Celebremos, mas também é hora de dar uma parada no caminho para refletir o que estamos fazendo bem e o que devemos mudar, se desejamos fazer visível o Reino de Deus.

+

2 comentários:

  1. Infelizmente no Brasil o Protestantismo é muito pequeno! O que abunda por aqui são as seitas evangélicas pentecostais e neo-pentecostais que nada possuem em comum com o Protestantismo histórico. Essas seitas são todas anabatistas, não possuem sacramentos, não possuem liturgia, distorcem completamente o evangelho e não possuem como referência doutrinal os 5 solas que são os fundamentos do Protestantismo. Essas seitas não possuem doutrina nem teologia e fundamentam-se em revelações particulares. Atraem as massas através da pregação da teologia da Prosperidade através das campanhas de enriquecimento fácil(vendendo objetos ungidos e outras quinquilharias que teriam o poder de atrair riqueza material - prática da simonia e idolatria), campanhas de cura (já estão concorrendo com os hospitais) e libertação (exorcismos, histeria coletiva, etc). Infelizmente estamos muito longe do Brasil se tornar um país verdadeiramente evangélico no sentido bíblico. Essas seitas em sua grande maioria de evangélicas possuem apenas o nome.

    ResponderExcluir
  2. Eu conheço de perto essas seitas "protestantes", aqui no Brasil quem não é católico é "protestante". A convivência com eles me fez aprender bastante coisa da atual religiosidade dita "evangélica".
    O protestantismo esta em crise. As igrejas históricas sucumbem diante do liberalismo e relativismo. Poucas convenções e denominações estão conseguindo manter sua fé nos dias atuais. Analisando as Igrejas históricas vemos que muitas delas perderam sua identidade denominacional, e isso é muito ruim. Estamos todos debaixo de um termo "evangélico" sem saber em que cremos e quem somos. Hoje você conversa com um crente metodista e parece que você esta conversando com um pentecostal, não há diferença denominacional. Os credos e visões teológicas estõa sendo colocadas de lado para se unir ao "avivamneto". Com essa visão o pentecostalismo está entrando no meio protestante e fazendo com que perdemos nossos principios reformados e denominacinal. O pior que os crentes históricos copiam o lado ruim do pentecostalismo. O "lado bom" do pentecostalismo histórico que é a evangelização, o fervor na oração, o incentivo missionário, etc., não é seguido. Eles procuram emocionalismo , correm atrás de seminários de louvor e adoraçõa para criar "ministério" de louvor, daí vem as "experiências" de línguas, curas, visões, exorcismos, etc. Hoje você não sabe se uma igreja realmente é batista ou presbiteriana, se é metodista ou pentecostal. O termo batista e assembleia virou moda, todos usam como querem. Muitos pastores presbiterianos e batistas estão permitindo que isso entre em suas igrejas. Os crentes pentecostais frequentam igrejas neo-pentecostais porque para eles tudo é "evangélico". O que precisamos é de líderes reformados e comprometidos com a fé reformada, que saiba levantar a voz e ensinar a Palavra de Deus para um povo entrega a supertições.

    ResponderExcluir