Respondendo uma questão sobre Anglicanismo no Brasil


Recebi hoje uma pergunta que devido a sua relevância, desejo compartilhar no meu blog. Entendo que está resposta, não será bem aceita por alguns irmãos das "igrejas anglicanas," mas a minha resposta não surge do julgamento, mas a partir da reflexão da situação atual do Anglicanismo.

Nem me considero melhor que outros líderes, nem dono da verdade. Simplesmente, minha resposta é fruto das conclusões chegada a partir do analises da situação atual.

Recebi a seguente pergunta: "Existem muitas igrejas diferentes que dizem ser anglicanas no Brasil ou são uma só? Vi sites diferentes dizendo ser da Igreja Anglicana do Brasil e fiquei confuso."

Realmente, isto é uma questão interessante. O Anglicanismo estava formado por uma só Igreja (IEAB) até finais do século 20. Então, chegou ao Brasil a Igreja Episcopal Reformada (RECUS). Ela foi uma divisão no século 19 da Igreja Episcopal dos USA. Hoje em dia, a Igreja Episcopal Reformada Brasileira não está ligada mais a RECUS, ainda que mantive o nome. Ela já não funciona mais, porque o bispo deles está muito enfermo e não existe constância de ter outro clero ou congregação em ativo. A Igreja Anglicana Reformada do Brasil se pode considerar até certo ponto, como fruto do trabalho da Igreja Episcopal Reformada brasileira. 
A Diocese de Recife saio da IEAB, faz uns 7 anos (mais ou menos), devido aos conflitos entre os liberais e os evangélicos. Também, estive envolvidos outras questões disciplinarias, mas realmente estas foram fruto indiretos nas diferencias entre a IEAB e a Diocese de Recife. Existem dois versões sobre os acontecimentos, mas eu sigo pensando que a razão está do lado da Diocese de Recife. Ainda que, não entendo, porque a Diocese de Recife não saio antes da IEAB. 
Estas três igrejas são:  
  • IEAB: A Igreja Episcopal Anglicana do Brasil é ultraliberal e anglo-católica. Está ligada fortemente a Igreja Episcopal dos USA. Se encontra na linha de "Affirming Catholicism" UK. Ordenam mulheres ao Episcopado, apoiam a causa LGBT e não vem incompatibilidade entre as sociedades segredas e o Cristianismo.  
  • Diocese de Recife: uma diocese evangélica e ortodoxa. Eles estão sob a autoridade espiritual do Primaz da Igreja Anglicana do Cone Sul, ainda que não são uma diocese da Igreja Anglicana do Cone Sul. Participam no GAFCON e FCA. Ordenam mulheres ao diaconato e presbiterado. Tem maçons entre o seu clero.  
  • Igreja Anglicana Reformada: uma missão anglicana, reformada, evangélica e protestante. Ordenamos somente mulheres ao diaconato, temos um clara posição de que os membros das sociedades segredas não podem ser parte da IAR. Afirmamos e ensinamos o formulário Anglicano (os 39 Artigos, o LOC 1662, e o Catecismo). Não está ligada a nenhuma igreja fora do Brasil, mantém relações amigáveis e fraternais com províncias anglicanas ortodoxas fora do Brasil e com GAFCON. 
Estas três são as igrejas anglicanas que podemos considerar representantes do Anglicanismo no Brasil. 
Uma situação interessante é que existem dois igrejas que são consideradas Anglicanas no Brasil, e se definem como anglicanas, não podem ser consideradas anglicanas per se, 
mas as quais tem raízes anglicanas. 
Estou falando da Igreja Episcopal Carismática (se separou da Diocese de Recife a inicio de século 21) e a Igreja Cristã Episcopal (se separou da Diocese de Recife em 2003).  
Estas duas igrejas são parte do movimento de convergência, e as comunhões internacionais as que estão afiliadas não se definem como anglicana. Portanto, está definição no Brasil, é devido a sua própria história. De fato, a IEC nem chega afirmar, internacionalmente, o Quadrilátero de Chicago-Lamberth, usam a Declaração de São Clemente, onde se afirma sete sacramentos.  
O resto de igrejas anglicanas no Brasil nem sei como definir elas. Contudo, tem certas características comuns: 
  1. Tem mais cacique que índios.
  2. A maioria delas estão ligadas a alguma igreja fora do Brasil, a quais tem pouco, ou nenhuma, relevância real no exterior. 
  3. Alguns dos bispos foram sagrados sem ter os três bispos presentes na sagração, muito irregular.
  4. As ordenações acontecem com muita rapidez. Dá a sensação de que um dia entra e, no dia seguinte, já aparecem como diáconos e presbíteros. 
  5. Geralmente, não se requer estudos, nem exame canônico, antes de ser ordenado.
  6. As decisões são tomadas pelo bispo somente, sem ter um Sínodo, Concílio ou Conselho a qual dar contas, nem que se reúna regularmente. Se tem não dá para perceber tal feito.
  7. Algumas delas chegam a ser virtuais, não existem além do internet ou Facebook. A maioria delas não tem mais de 6 igrejas. MAS podem chegar a ter dois ou três bispos, as vezes. Algumas desaparecem com a mesma rapidez que aparecem.
  8. A maioria delas são divisões que tem acontecido entre elas. Muitos deles causadas por brigas entre os próprios bispos que se separam e criam sua própria igreja.
  9. A maioria destas igrejas são de tendência anglo-católica.
Uma vez dito isso, cada uma delas é um mundo em se mesmo, o que mostra as dificuldades de definir o que são ou não são.  
Eu tenho já visto nascer e morrer algumas destas “igrejas” nos últimos 5 anos, e acho que muitas delas desapareceram quando o “fundador” se cansei ou seja chamado por Deus.
+

3 comentários:

  1. A Igreja Episcopal do Evangelho Pleno no Brasil, nao é e nunca foi uma divisão da ACIW, o trabalho missionario iniciou-se num pequeno e pobre lar, em um bairro da periferia de São Paulo, Brasil no ano de 1984 com o reverendo Josué Souza Torres e sua esposa missionaria Zilda da Silva Dias Torres, com a evangelizaçao todas as segundas feiras usando o livreto e cartaz do O CORAÇAO DO HOMEM e principalmente a Biblia Sagrada, reuniões de oraçao e visitas a diversas pessoas e lares, evengelismo de rua com projeçao de filmes, aconteceram as primeiras conversoes e com o crescimento de fiéis sendo alcançados, se mudaram para um patio de uma Escola Publica Estadual para as celebrações aos Domingos, nesse periodo o reverendo Josué se aprofundoue formou-se em diversos estudos, Teologia, Missiologia, Capelanias, entre outros, no dia 29 de janeiro de 1997 ja com um bom numero de homens fieis surgiu a necessidade de elaborar o Estatuto da Igreja e registrar em Cartorio a Igreja Episcopal do Evangelho se tornava assim reconhecida juridicamente. O reverendo Josué Souza Torres diante do crescimento da Igreja buscou a ordenação e sagração episcopal que aconteceu no dia 15 de Janeiro de 2006 na cidade de Taboao da Serra, pela The Anglican Independent Communion - Worldwide com legitima sucessão apostolica. O Bispo Josué, primaz da Igreja Episcopal do Evangelho Pleno, tem ajudado a muitos ministerios no Brasil e exterior, entre esses o Bispo Josué foi um dos co-sangrantes do Bispo Francisco Buzzo,Bispo Primaz da Igreja Anglicana Reformada, de quem tem grande admiração e estima, e ambos ja estiveram pregando nos pulpitos de vossas igrejas mantendo um respeito mutuo e reconhecimento de suas ordens.

    ResponderExcluir
  2. Se desejamos ter toda a história corretamente, temos que entender que a Igreja Episcopal do Evangelho Pleno não nasceu como uma igreja episcopal ou anglicana, mas uma Igreja do Evangelho Pleno. De fato, ainda percebemos muitos destes elementos na liturgia, práticas e doutrinas da mesma. Recomendo ver os vídeos existentes no youtube onde observamos certas práticas e costumes litúrgicos próprios desta igreja.

    A história tratada neste artigo analiza a situação a partir do momento em que a Igreja Episcopal do Evangelho Pleno forma parte da AICW. Não foi informado, se ela conseguiu status diocesano na AICW ou, simplemente, era considerada uma paróquia.

    O fato é que, quando o bispo Josué foi sagrado bispo na AICW, ele aparece como bispo da AICW, como foi publicado, na época, no site da própria AICW. Esta informação foi confirmada por este autor.

    Juntamente ao bispo Josue foram sagrados outros dois bispos, também estiveram no site da AICW, como bispos desta comunhão. Um ano depois, cada um dos bispos seguiu caminhos separados, sendo somente um deles a membro por um tempo maior da AICW.

    No meu artigo, não entrei na questão do status legal das igrejas. Nem tampouco, se legalmente a Igreja Episcopal do Evangelho Pleno existia previamente a sua afiliação a AICW.

    Certamente, o bispo Josué tem um ministerio bem-sucedido com uma paróquia grande em Taborão da Serra.

    O alvo do artigo não foi questionar as ordens sagradas de neguem, mas mostrar as tendências existentes dentro do Anglicanismo no Brasil e orientar sobre as diversas irregularidades cometidas no processo. Contudo, temos que observar a irregularidade de que não estavam presentes três bispos, como seria canonicamente normativo. Os bispos "in absentia" devem ser considerados além dos três bispos presentes. Isto é irregular, como mínimo.

    Mais informação sobre este aspecto da história do Anglicanismo, leiam este link: http://anglicanchurch.weebly.com/histoacuteria.html

    ResponderExcluir
  3. No Brasil tem Igreja Anglicana que reza Missa Tridentina, tem outras que rezam o Rito de Sarum, tem outras que ordenam gays e que também fazem casamento gay e outras que participam de passeata do orgulho gay e outras ainda que ordenam mulheres: uma verdadeira babilônia!!!

    ResponderExcluir