Acorda Igreja, Cristo chama

um brasil novo

“Não nos cabe indagar a história das fortunas dos pobres e dos ricos que se tornaram ministros” 


Esta foi a resposta do Presidente da Comissão de Ética da Presidência, diante do fato de que Antonio Palocci, novo ministro-chefe da Casa Civil, poderia estar envolvido em certas irregularidades por ter multiplicado o seu patrimônio por 20 em quatro anos.

Fiquei sem graça diante de tais declarações daquele que deveria ser o defensor da ética no governo. Afinal de contas, o nome de Palocci apareceu envolvido em diversos casos e escândalos políticos nos últimos anos. Podemos lembrar o Caso de Leão (2005), o Mensalão (2005) e Caso do Caseiro (2006).

Com este historico, deveria ser o próprio Palocci o primeiro em querer mostrar sua inocência; afinal, ele não é qualquer ministro. Falar que isto é uma jogada política da oposição, simplesmente é tentar nao responder a pergunta sobre como alguém tem feito tanto dinheiro em um tempo tão breve. Sobretudo, quando ele sempre tem estado em meios políticos diversos.

Diante desta noticia, minha pergunta é, “qual deveria ser a resposta da Igreja?”

Eu acredito que os cristãos deveriam ser os primeiros em pedir que sejam esclarecidos estes fatos. Precisamos lembrar aos políticos que, se desejam ser servidores públicos, então desejamos saber o que faziam e como atuavam antes de ser políticos, porque poderemos ter certeza de que vao agir da mesma forma que antes de ser políticos.

Por este motivo, podemos conhecer muito de um politico através da sua vida privada e pessoal.

Os cristãos estamos chamados a ser exemplos de boa cidadania. E, portanto, como cidadãos responsáveis, precisamos conhecer aqueles que vão decidir o futuro do nosso país. Afinal, não seria a primeira, nem a ultima vez, que os nossos governantes estejam envolvidos em casos de corrupção e malversação de dinheiro publico nos últimos anos.

Os nossos políticos tem o dever de explicar como conseguiram acumular tanta riqueza, e precisamos lembrar que eles são servidores do povo brasileiro e, sempre, devem tomar decisões seguindo os ensinos de Cristo. Do contrario, estão trabalhando por politicas partidistas, interesses financeiros (ou pessoais) ou lobbies.

Salmos 33.12 diz, “Como é feliz a nação que tem o Senhor como Deus, o povo que ele escolheu para lhe pertencer!”

A Igreja precisa ser novamente a defensora da ética na vida publica e privada. Já está na hora de que a Igreja se desperte como uma voz profética contra a iniquidade tão presente na nossa sociedade.

Infelizmente, parece que a Igreja está mais interessada em problemas internos dela, fazendo com que continue sendo totalmente irrelevante na sociedade brasileira atual.

0 comentários: