Estás Salvo? Do que?

"Nós temos errado e nos extraviado dos Teus caminhos como ovelhas perdidas. Temos seguido demasiadamente os conselhos e os desejos do nosso próprio coração. Temos deixado de fazer aquilo que devemos fazer. E temos feito coisas que não deveríamos ter feito. Certamente não existe sanidade em nós. 
Confissão Geral do Livro de Oração Comum
Após vários anos como cristão, comecei a questionar os clichês evangélicos que havia aprendido durante os anos anteriores. Conhecia tudo o que devia ser dito e quando devia ser dito. Era um
amontoado de frases feitas que, sinceramente, nem ao certo sabia o que significavam realmente.

Isto me lembra duas situações que vivi e que me fizeram começar a questionar tais clichês. A primeira foi quando alguém estava falando acerca de algo desagradável e o irmão disse um “Aleluia! Glória a Deus!”, sem, no entanto, perceber o contexto incoerente de sua exclamação.

A segunda foi quando alguém me perguntou se eu era salvo. Fiquei surpreso pelo questionamento, pois a pessoa declarou que eu não era cristão pelo simples fato de estar usando camisa clerical. Então, decidi averiguar se aquele indivíduo entendia, de fato, o teor do questionamento que ele levantara. E respondi: “salvo do que?”. Minha resposta o deixou sem saber o que dizer naquele momento. Encontrou-se sem resposta para minha indagação. Provavelmente, era a primeira vez
que isso acontecia com ele.

A salvação é um tema realmente sério, relevante e de consequências eternas. Saber se Deus nos salvou do pecado e da morte é algo de suma importância. As Escrituras falam extensivamente sobre nossa salvação. Também, devemos estar conscientes de que a salvação é o começo da nossa jornada pessoal enquanto cristãos.

Nas Escrituras, lemos que Jesus foi anunciado como o salvador do mundo enquanto ainda estava no
ventre de Maria. Este texto bíblico nos mostra como a pessoa do Salvador e a salvação estão interligadas de tal modo que, realmente, se desejamos entender o significado da salvação, primeiro precisamos conhecer o nosso Salvador, Jesus Cristo. A missão de Cristo é salvar o mundo.

A questão que devemos considerar agora é a de que devemos ser salvos. As Escrituras falam da salvação em um sentido muito mais extenso do que muitos cristãos acreditam. Afinal, a verbo “salvar” significa “ser resgatados de uma situação perigosa ou ameaçadora.”

Portanto, consideremos a situação de Israel. O povo de Deus foi liberto do poder opressor de seus inimigos no campo de batalha, portanto, podemos afirmar que ele foi salvo. Outra situação é quando uma pessoa escapa com vida de um acidente grave, e afirmamos que ela se salvou. E no futebol, quando um time estava para ser rebaixado de divisão, mas isso não ocorre, dizemos que ele se salvou. A salvação é o ato de se ver livre de uma situação difícil, perigosa ou ameaçadora.

Em que sentido as Escrituras falam de salvação?

No Novo Testamento, a salvação é tratada de forma muito mais específica. A salvação está ligada a nossa redenção, regeneração e novo nascimento. A salvação é nossa libertação das consequências do pecado, que é a morte, e da autoridade de Satanás sobre nossas vidas. Logo, a salvação é a única esperança da humanidade, diante do pecado e da opressão, que causa tanto sofrimento ao mundo e às nossas vidas.

Se esquecermos que a morte é fruto do pecado original, então não conseguiremos entender o que realmente significa a salvação. A salvação é o fato de que “o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo” (1 João 3.8). Sendo assim, libertos “da ira futura” (1 Tessalonicenses 1.10).

Somos cônscios de que, na segunda vinda de Cristo, a humanidade enfrentará o juízo final. Nesse dia, cada um de nós deverá prestar contas por cada um de nossos atos diante do Santo Deus, todos, sem excessão. Nem preciso dizer que este será um terrível dia para a humanidade. Ninguém poderá escapar desse juízo, nem o enfrentará com a certeza de que tem vivido uma vida justa e digna (pois não há um justo, nenhum sequer).

Nesse dia, descobriremos, de forma plena, o quão Justo e Santo Ele é. Observaremos a ira de Deus contra os malvados e àqueles que não arrependeram-se dos seus pecados e de sua vida desregrada. Será um dia difícil de explicar pelas consequências pela eternidade de tantas pessoas. Jesus será reconhecido como o soberano de todas nações, e sua justiça será perfeita. Será conhecido, como o Salvador do seu povo, a Igreja. Isto significa que será também o grande dia da salvação e a grande esperança que temos em Cristo. Ele reunirá os eleitos de todos os povos, tribos, nações e grupos em uma nova nação santa.

Por certo, a salvação não é só um fato futuro. Ela já aconteceu, está acontecido e acontecerá. Em outras palavras, fomos salvos (desde a fundação do mundo); estamos salvos (pela obra de Deus na historia); somos salvos (porque temos sido redimidos, regenerados e justificados); estamos sendo salvos (ao ser santificados pelo Espírito Santo); e seremos salvos (quando experimentemos a consumação da nossa redenção no céu).

Antes de terminar este artigo, gostaria dizer que não podemos esquecer do essencial. A salvação não é uma decisão humana, ou uma resposta ao que fazemos. Não podemos fazer absolutamente nada para sermos salvos. A salvação é uma obra divina que começa e termina em Deus. Deus é quem consegue fazer possível por Cristo levar adiante esta obra pelo Espírito Santo. Por isso, chamamos de graça. A salvação é um dom da graça de Deus e provém dEle somente. O nosso Senhor, Jesus Cristo, nos liberta da ira de Deus.

Esta é a graça maravilhosa de Deus. Recebemos um dom que nem desejamos, nem podemos conseguir, nem sabíamos que precisávamos. Deus deu a resposta quando ainda estávamos em rebeldia, nem havíamos nascido e vivíamos longe dEle. O Senhor entregou sua vida para que o seu povo eleito seja salvo da ira de Deus e da opressão do pecado.

__________________

Publicado no blog Pelas Escrituras. E no primiero número da revista "A Espada e a Espatula" do Projeto Spurgeon.

0 comentários: