ADORAÇÃO, Uma Perspectiva Bíblica e Reformada


Muito tem sido escrito através dos tempos sobre o culto e a adoração. Ainda que não podemos dizer que isto tem sido assim nos últimos tempos. Isto resulta curioso, se consideramos todas as mudanças que tem acontecido no culto e a adoração cristã. Por isso, desejo tomar um tempo e ver o que a Bíblia tem a ensinar e instruir nesta área.

No Anglicanismo, seguimos os seguintes elementos bíblicos para estabelecer a ordem de culto, e obedecer ao Senhor, Jesus Cristo, enquanto adoramos a Deus em espírito e verdade.

As Razões para Adorar

Ide para o lugar que o SENHOR, vosso Deus, escolher dentre todas as vossas tribos para colocar ali seu nome, para sua habitação. Para esse lugar, levareis vossos holocaustos e sacrifícios, vossos dízimos e vossa oferta alçada, vossos votos e ofertas voluntárias, e os primogênitos das vossas vacas e ovelhas; ali comereis perante o SENHOR, vosso Deus, e vos alegrareis, vós e vossas famílias, em tudo em que puserdes a mão, naquilo que o SENHOR, vosso Deus, vos tiver abençoado. (Dt 12:5-7)

Por isso, Deus também o exaltou com soberania e lhe deu o nome que está acima de qualquer outro nome; para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai. (Fp 2:9-11)

Achegai-vos a Deus, e ele se achegará a vós. Pecadores, limpai as mãos, e vós, que sois vacilantes, purificai vosso coração. (Tiago 4:8)

E cantavam um cântico novo, dizendo: Tu és digno de tomar o livro e de abrir seus selos, porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda tribo, língua, povo e nação (Apocalipse 5:9)

Nosso Senhor e nosso Deus, tu és digno de receber a glória, a honra e o poder, porque tu criaste todas as coisas e, por tua vontade, elas existiram e foram criadas (Apocalipse 4:11)

Um Chamado a Adoração verdadeira

Ó SENHOR, nosso Senhor, como teu nome é magnífico em toda a terra! Tu, que puseste tua glória nos céus! (Salmo 8:1)

Tributai ao SENHOR a glória devida ao seu nome; adorai o SENHOR na beleza da santidade. (Salmo 29.2)

Ó, vinde, adoremos e prostremo-nos; ajoelhemos diante do SENHOR, que nos criou. (Salmo 95:6)

Exaltai o SENHOR, nosso Deus, e prostrai-vos diante do estrado de seus pés, pois ele é santo (Salmo 99:5)

Então Jesus lhe disse: Mulher, crê em mim, a hora vem em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai. Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos; porque a salvação vem dos judeus. Mas virá a hora, e de fato já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai no Espírito e em verdade; porque são esses os adoradores que o Pai procura. Deus é Espírito, e é necessário que os que o adoram o adorem no Espírito e em verdade. (João 4:21-24)

Os Cinco Aspectos Essenciais na Adoração

A oração em comum (adoração) é o centro da vida na Igreja de Cristo, como convergência das coisas “antigas” e “novas” guardadas no tesouro, de acordo com Mateus 13.52. Os cinco aspectos essenciais na adoração são louvor e confissão, ensino da palavra, oração, a Ceia do Senhor e Comissão.

Estos distintivos emergem das próprias Escrituras:

Aleluia! Cantem ao Senhor uma nova canção, louvem-no na assembléia dos fiéis. Alegre-se Israel no seu criador, exulte o povo de Sião no seu rei! Louvem eles o seu nome com danças; ofereçam-lhe música com tamborim e harpa. O Senhor agrada-se do seu povo; ele coroa de vitória os oprimidos. Regozijem-se os seus fiéis nessa glória e em seus leitos cantem alegremente!” (Salmos 149.1-5)

Eles se dedicavam ao ensino dos apóstolos e à comunhão, ao partir do pão e às orações.” (Atos 2.42)

A palavra “liturgia” significa “o serviço do povo,” e mostra a prática de adoração da Igreja. Todas as igrejas usam alguma estrutura litúrgica, inclusive quando negam este fato. Nossa liturgia se descreve da seguinte forma:

ADORAÇÃO E CONFISSÃO

A Igreja Anglicana Reformada do Brasil, a qual sou bispo, celebra adoração através de hinos e cânticos. Entendemos que a música tem sido usada através dos tempos para adorar a Deus na beleza da Sua santidade (Salmos 29.2). Portanto, o culto cristão usa diversas expressões bíblicas de adoração como são:

Confessando os nossos pecados –  Se confessarmos os nossos pecados, diz o Apóstolo, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e purificar-nos de toda injustiça” (1 João 1.8).

Usando instrumentos musicais – “Louvem a Deus no seu santuário, louvem-no no seu poderoso firmamento. Louvem-no pelos seus feitos poderosos, louvem-no segundo a imensidão de sua grandeza! Louvem-no ao som de trombeta, louvem-no com a lira e a harpa, louvem-no com tamborins e danças, louvem-no com instrumentos de cordas e com flautas, louvem-no com címbalos sonoros, louvem-no com címbalos ressonantes. Tudo o que tem vida louve o Senhor!” (Salmos 150:1-6).

Com cânticos, palmas e mãos levantadas - ”Batam palmas, vocês, todos os povos; aclamem a Deus com cantos de alegria” (Salmos 47:1, leia Salmo 63:3-5).

A LEITURA E PREGAÇÃO DAS ESCRITURAS

As Sagradas Escrituras - O apóstolo Paulo nos ensina como a Igreja deve usar as Escrituras: “Até a minha chegada, dedique-se à leitura pública da Escritura, à exortação e ao ensino” (I Timóteo 4:13).

Se entende a importância de ler as Escrituras do Antigo e do Novo Testamento. Estas são lidas publicamente, seguindo o exemplo da Palavra de Deus.

Esdras abriu o livro diante de todo o povo, e este podia vê-lo, pois ele estava num lugar mais alto. E, quando abriu o livro, o povo todo se levantou. Esdras louvou o Senhor, o grande Deus, e todo o povo ergueu as mãos e respondeu: “Amém! Amém!” (Neemias 8:5-6).

E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler. E foi-lhe dado o livro do profeta Isaías; e, quando abriu o livro, achou o lugar em que estava escrito” (Lucas 4:16-17).

Pregando e ensinando - Existem grande sabedoria e senso comum nas próprias Escrituras. Contudo, as Escrituras instruem, transformam e ensinam os caminhos de Deus.

Vocês sabem que não deixei de pregar-lhes nada que fosse proveitoso, mas ensinei-lhes tudo publicamente e de casa em casa” (Atos 20:20).

Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra” (2 Timóteo 3.16)

ORAÇÃO

Orações

Os cristãos devemos orar sempre e em todo lugar. A importância da oração na vida da Igreja e dos cristãos nunca se pode esquecer. Em muitas congregações, existe uma oportunidade para receber oração e ser abençoado, se assim deseja.

Entre vocês há alguém que está sofrendo? Que ele ore. Há alguém que se sente feliz? Que ele cante louvores. Entre vocês há alguém que está doente? Que ele mande chamar os presbíteros da igreja, para que estes orem sobre ele e o unjam com óleo, em nome do Senhor. E a oração feita com fé curará o doente; o Senhor o levantará. E se houver cometido pecados, ele será perdoado. Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros e orem uns pelos outros para serem curados. A oração de um justo é poderosa e eficaz” (Tiago 5:13-16).

"Orar uns pelos outros” (Mateus 5.44)

A Paz - Uma das práticas mais antigas na Igreja tem sido “dar a paz.” A Igreja Anglicana segue esta prática do Cristianismo primitivo. Usamos a expressão, “A paz do Senhor seja contigo,” e respondemos, “E também contigo.”

Enquanto falavam sobre isso, o próprio Jesus apresentou-se entre eles e lhes disse: “Paz seja com vocês!” (Lucas 24:36).

A palavra grega para comunhão é koinonia que significa “vida em comum.”

"Naquele exato momento, Boaz chegou de Belém e saudou os ceifeiros: “O Senhor esteja com vocês! ” Eles responderam: “O Senhor te abençoe!”” (Ruth 2:4).

A CEIA DO SENHOR

A Santa Comunhão – O Senhor mesmo ensinou a forma e significado da Ceia do Senhor. Este sacramento é chamado geralmente da Ceia do Senhor, Santa Comunhão. A igreja primitiva celebrava em todos os seus cultos a Ceia do Senhor, tanto em cultos públicos como nas casas.

“Pois recebi do Senhor o que também lhes entreguei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão e, tendo dado graças, partiu-o e disse: “Isto é o meu corpo, que é dado em favor de vocês; façam isto em memória de mim”. Da mesma forma, depois da ceia ele tomou o cálice e disse: “Este cálice é a nova aliança no meu sangue; façam isto, sempre que o beberem, em memória de mim”. Porque, sempre que comerem deste pão e beberem deste cálice, vocês anunciam a morte do Senhor até que ele venha. Portanto, todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será culpado de pecar contra o corpo e o sangue do Senhor. Examine-se o homem a si mesmo, e então coma do pão e beba do cálice” (I Corinthians 11:23-28).

"Tomou em seguida o pão e depois de ter dado graças, partiu-o e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que é dado por vós; fazei isto em memória de mim” (Luc 22, 19).

"Tomou depois o cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos, porque isto é meu sangue, o sangue da Nova Aliança, derramado por muitos homens em remissão dos pecados” (Mateus 26, 27-28)

COMISSÃO

Benção final e comissão - Assim vocês abençoarão: “O Senhor te abençoe e te guarde; o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti e te conceda graça; o Senhor volte para ti o seu rosto e te dê paz. Assim eles invocarão o meu nome sobre os israelitas, e eu os abençoarei” (Números 6: 22-26).

A graça do Senhor Jesus seja com vocês. Recebam o amor que tenho por todos vocês em Cristo Jesus. Amém.” (1 Coríntios 16.23-24)

Este é o culto que as Escrituras nos ensinam e mostram que é agradável aos olhos de Deus. Por este motivo, as igrejas anglicanas formamos a Oração Comum a partir do próprio ensino que emana da Palavra de Deus.

A Deus seja toda a glória, agora e para sempre. Amém.

+

0 comentários: