Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o SENHOR


Os cristãos somos cidadãos chamados a ser luz e sal na vida da nação onde Deus nos tem colocado para servir-Lo e ser testemunhos vivos do Senhor, Jesus Cristo.


Na semana passada comecei uma série escrevendo sobre as eleições, especialmente sobre como os cristãos podemos começar a refletir sobre este processo democrático. Sobretudo, tendo em conta de que somos chamados a ser exemplo de vida e glorificar a Deus através do que pensamos, fazemos e vivemos.

Tenho recebido diversos comentários a respeito do meu artigo. Eles tem sido realmente importantes na hora de seguir esta série de artigos sobre as Eleições, e como os cristãos podemos enfrentar este processo.

Uma das questões, sempre é a falta de credibilidade dos próprios políticos. Na verdade, existe uma crise de liderança muito grave no Brasil. Não somente entre os políticos, mas também na Igreja e nas diversas instituições humanas.

Realmente, não podemos negar que existe um problema muito sério de corrupção, responsabilidade e politicagem no interior das instituições de representação e de governo. Contudo, estas tem recebido de Deus poder para desempenhar sua função.

Ignorar este processo, ou votar sem refletir, não vai ajudar a mudar as coisas, ainda que fazer isso não significa que as coisas vão mudar tampouco. A nossa esperança está somente em Jesus Cristo, o Senhor e o Rei. Em qualquer caso, esta última afirmação não deve, nem pode, fazer que sejamos simplesmente observadores, mas devido a que Jesus é Senhor que devemos pensar, entender e refletir neste processo.

Porque afirmo que ignorar este processo não vai ajudar a mudar as coisas? Pela seguinte lógica, sempre ganham os mesmos políticos, porque o povo brasileiro sempre vota neles. Ou as alternativas que elege, realmente não são verdadeiras alternativas. Um exemplo, foi o voto crítico que recebeu Tiririca, como repulsa aos políticos brasileiros; infelizmente, esse voto fez que entrassem outros candidatos que, conforme os jornais e revistas de atualidade, tinham ficha suja.

Os cristãos precisamos ser conscientes de em quem votamos, e devemos repensar se os valores e os desejos que temos, são frutos dos valores cristãos ou refletem os valores da sociedade em que vivemos.

Em qualquer caso, tanto se votamos, como não votamos, devemos ser conscientes que os governos tem poder e autoridade que tem recebido de Deus. Ao final, temos que ter leis para restringir o mal e políticas para desenvolver o bem comum (1 Pedro 2:13-14), mas seria errado que o governo fosse responsável por todas as coisas. Ainda que, muitas pessoas desejam isso, e existem ideologias políticas que promovem o mesmo.

Os cristãos precisamos refletir na nossa eleição, os candidatos que entendem corretamente o papel do estado e do governo na vida dos cidadãos. Um governo que interfere em outras esferas de poder que não são próprias dele e que pertencem à esfera da família, da igreja, da comunidade, etc.; realmente, é um governo que vai oprimir o povo e eliminar liberdades fundamentais das pessoas. O voto dos brasileiros vai definir se temos um bom governo ou não.

A comunidade, mais que o próprio estado, é a resposta a muitos dos problemas que não tem respostas nas decisões dos governos. Os políticos devem proteger a liberdade da comunidade, porque esta se encontra fundamentada na família e nas pessoas. Por certo, falei de comunidade, e não sociedade. A comunidade é natural e surge de forma orgânica, a sociedade surge a partir de leis e ideologias desenvolvidas pelos governos e os estados.

Brasil vive um momento importante na sua história. Talvez, o fato de ser parte desta história, faz que não percebamos a importância do tempo em que estamos. Como cristãos, devemos refletir sobre os valores que fazem de nós um povo único. Se acreditamos realmente que as Escrituras são a Palavra de Deus escrita e inspirada, devemos nos aproximar dela com temor e humildade para aprender com uma mente aberta. A questão é simplesmente, “acreditam que a Bíblia é a palavra de Deus ou não?”

Acredito na existência de princípios bíblicos, aplicados na vida pública e no governo, como em todas as outras esferas de poder (família, escola, justiça, comunidade, etc.). Estou falando dos Dez Mandamentos e, por extensão, o Sermão da Montanha.

Sinceramente, não podemos quebrar a Lei de Deus sem esperar que existam consequências. Como não podemos ultrapassar a luz vermelha, esperando que nunca vamos ter um acidente.

Se uma nação, família ou comunidade quebra a Lei de Deus, pode ter certeza de que existem consequências agora e aqui e, também, existem consequências futuras. Se você se pergunta, porque alguma coisa má está acontecendo na sua vida, pode ter certeza que existe mais possibilidades de que seja porque a Lei de Deus foi quebrada que por culpa de satanás. Por certo, o diabo nem sempre faz as pessoas fazer o que fazem, geralmente as pessoas fazem o que fazem, porque mostram o que tem no coração.

Lembre sempre que Deus não pode ser burlado. Votar em Tiririca só faz que os próprios brasileiros que votaram nele, terminem sendo prejudicados pela própria lei eleitoral. Portanto, não basta olhar em quem você está votando, mas precisa saber com quem ele está coligado. Quem sabe, se o seu voto termine ajudando a eleger alguém com quem você discorde profundamente.

O homem sempre vai colher aquilo que planta (Gálatas 6:7), infelizmente. Uma nação nunca vai ser abençoada por quebrar a Lei de Deus. A nação abençoada é aquela que segue a Deus, sem temor, nem medo.

“O SENHOR frustra os planos das nações, anula os intuitos dos povos. O plano do SENHOR permanece para sempre, e os intuitos do seu coração, por todas as gerações. Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o SENHOR, o povo que ele escolheu como sua herança.” (Salmos 33:10-12)

Artigo anterior na série:



0 comentários: