Caio Fábio, um líder caído


A primeira vez que ouvi falar do Caio Fábio foi em 2003. Um amigo meu falava com grande paixão sobre os escritos dele. Me explicou como ele foi o maior líder evangélico do Brasil, se não lembro mal... inclusive chegou a afirmar que Caio Fábio era o Billy Graham brasileiro.

Sem saber quem era o Caio Fábio, só podia escutar o meu amigo e acreditar naquilo que ele me falava.

Faz uns três anos, finalmente tive a oportunidade de ler um livro do Caio Fábio. Realmente, era um bom escrito e tinha a capacidade de transmitir suas idéias de uma forma interessante. Naquele tempo, o meu irmão, bispo Francisco Buzzo, foi fazer uma entrevista a Caio Fábio para um novo programa de televisão.

Eu vi uma pessoa machucada e ferida, não vi aquele grande líder evangélico, nem o teólogo dos livros. Vi uma pessoa cheia de ódio e, certamente, com muita possibilidade de desenvolver uma personalidade conflitiva.

Com o tempo, este temor foi crescendo, e crescendo, até chegar a ouvir certas expressões e palavras de um líder "cristão" que nem espero de um adolescente. Fiquei chocado, sem graça e comecei a perceber que precisava conhecer o que tinha acontecido no mundo evangélico dos anos 90, se desejava entender o contexto atual dos evangélicos.

Foi então que vi a grande (ir)responsabilidade do Caio Fábio quando foi a voz dos evangélicos. Sei que não é fácil ser a voz de um movimento, e as tentações são muitas, contudo isto não justifica os pecados e erros que foram cometidos... e a falta de humildade de parte do Caio Fábio.

Agora, Caio Fábio voltou a ser novamente um líder entre certos setores evangélicos. Admirado por uns, e criticados por outros. E, possivelmente, os uns e os outros tem parte de razão... contudo, Caio Fábio está condenado a cometer novamente muitos dos erros do passado, se não tem já cometido.

Pessoalmente, acho que Caio Fábio nunca deveria haver ressurgido. Infelizmente, os evangélicos sofremos de "anarquismo eclesiástico" e "rebeldia espiritual." Fazer o que?, falam muitos. Fazer de tudo para mudar isso.

Pessoalmente, Caio Fábio "já era" para mim. Os seus últimos ataques a pessoa de Júlio Severo (mesmo que ainda imperfeito como todos nós) tem mostrado uma atitude irresponsável e, claramente, tem mostrado que, no seu desejo de protagonismo, termina falando sem perceber que está faltando com a verdade.



Todos poderemos ver aspectos e formas do Júlio Severo que, talvez, não concordemos. Contudo, ele tem sido uma voz clara e firme contra a agenda homossexual e a politicagem evangélica. Tem feito isto pagando um alto preço pessoal, e sempre informando com data atual.

Tenho certeza de que Caio Fábio seguirá crescendo em popularidade, porque sempre tem pessoas que, pelos mais diversos motivos, terminam abraçando as causas mais diversas. Porém, já diz o Salmo sobre os perigos de estar na "roda dos escarnecedores."

Caio Fábio, talvez, houvesse podido chegar a ser um Billy Graham brasileiro, com certeza nunca foi. Hoje, simplesmente é um líder caído que busca um palco para ser o que nunca chegou a ser.

.

0 comentários: