Depois de tudo....


Faz dois anos nos despertávamos com a notícia da proposta que o bispo de Roma, Bento XVI, fazia aos Anglicanos. Convidava aqueles anglicanos insatisfeitos que quisessem voltar a igreja mãe, leia-se à Igreja Católica Romana, a fazê-lo através do Ordinariado criado para isso.

Naquele momento, se falou de uma migração massiva de Anglicanos para Roma. Os jornais falavam de 400,000 ou 500,000 anglicanos. Tentei falar na época que isso não aconteceria de jeito nenhum e, ainda se chegava a este número, que são meio milhão quando existem 100 milhões de anglicanos, se contamos tanto os membros da Comunhão Anglicana (80 milhões) como aqueles que não tem nenhuma vinculação com Canterbury (20 milhões).

Dois anos depois, finalmente estão surgindo os verdadeiros números diante de nós. As conversões tem sido realmente poucas na Inglaterra e em todo o mundo. Em um artigo recente, se diz que são 900 anglicanos, menos de 60 do clero dentre os quais três que são bispos da Igreja da Inglaterra até agora. Realmente, se espera mais, porém não acho que vamos ver nenhuma conversação massiva como se pretendeu dar a entender desde a imprensa brasileira e mundial.

Afinal de contas, o movimento anglo-católico é minoritário, tanto na Comunhão Anglicana, como no Anglicanismo como um todo.

De fato, aconteceu um congresso anglicano continuante no Canadá, onde participaram as igrejas mais significativas deste movimento (anglo-católicos, tradicionalistas, etc.). Neste evento, se fez uma crítica clara à proposta da Igreja de Roma.

Por certo, nem preciso dizer que nenhum grupo dos auto-chamados anglicanos tradicionais ou anglo-católicos do Brasil esteve presente neste evento. Afinal, porque deveriam participar, se não são reconhecidas por nenhuma igreja séria no exterior?

Não em vão, um dos “arcebispos” foi excomungado recentemente; outra diocese independente estava vinculada a um arcebispo chileno que foi preso no passado por malandragem; outra das igrejas chamadas anglicanas tradicionais tem clero reconhecido que nem recebeu as sagradas ordens; e nem vou falar das que são virtuais.

No meio desta situação, fico feliz que Deus tem tido misericórdia da nossa pequena igreja e esteja limpando a casa sem a necessidade de que nos próprios precisemos fazer nada.

Depois de todo o barulho da mídia, o Anglicanismo segue forte e as “profecias” do fim do Anglicanismo não tem chegado a realizar-se. A historia mostra agora que são poucos os Anglicanos que estão voltando a Roma, e os liberais estão morrendo de desnutrição.

Por outro lado, seguimos vendo um Anglicanismo forte no mundo, com claros princípios reformados, protestantes e evangélicos e que segue crescendo. E a hora do Brasil está chegando, ainda que todavia não tenha chegado.

Portanto, pode ser que nossa opinião não surja nos jornais, mas a Igreja Anglicana Reformada representa o Anglicanismo do século 21. Temos uma clara Visão 20/20 e dez anos para fazê-la possível.

Depois do inverno, chega o tempo da colheita...

3 comentários:

  1. Se os Anglo-Católicos são Anglicanos justamente por não concordarem com a Católica Romana, a tal chamada "conversão" tem base em que? Simples mudança de opinião e de templo físco? Me faz lembrar a competição por membros das igrejas do Brasil.

    ResponderExcluir
  2. Óleo e Água, quando agitados, até parecem homogêneos, mas, quando o agito acalma, Óleo é Óleo, Água é Água. Se converter ao Catolicismo Romano; ao Anglicanismo; ao Presbiterianismo; ao Metodismo, não tem nada a ver com a conversão à Jesus, o Cristo, o Messias, o Príncipe da paz. Desta forma, a competição religiosa-denominacional, sempre existiu e vai existir. Toda ela ficará na terra. Olhemos então, para o Autor e Consumador de nossa Fé, como nos diz o Apóstolo Paulo: "Mas eu sei em quem tenho crido, estou bem certo que é poderoso...", ou seja, paulo não exaltou ou lutou a favor de religião tal ou tal, mas, Cristo em vós, esperança da glória!!! Por isso....Ô Glória!!!!!

    ResponderExcluir
  3. De qualquer forma, fico feliz com a pouca migração de Anglicanos para a Igreja de Roma. Acredito que estes são aqueles que nunca se aprofundaram no Anglicanismo, em sua história, mas, dentro do Anglicanismo admiravam o vizinho, então, que vão ao encontro deste vizinho, porque, com certeza, nós vamos ao encontro do Mestre dos Mestres, Cristo Jesus, ressurreto!!!

    ResponderExcluir