Despertando os Gigantes, Parte IV


Além da nossa visão, está a visão de Deus

Não faz muito tempo estava falando com um pastor que compartilhava sobre a visão que tinha recebido de Deus, e como sua igreja não estava entendendo o que Deus estava falando. Escutei atentamente, e depois pensei, “será que é assim?”

Sem dúvida, Deus dá visões do que ele deseja realizar através da sua igreja, tanto universal como local. Esta visão é importante para saber onde queremos chegar. Onde Deus nos está dirigindo para fazer visível o seu Reino na terra.


Ao mesmo tempo, também acontece que as vezes a visão que acreditamos ser de Deus, realmente não é de Deus. É fruto do nosso desejo de servir a Deus ou fazer alguma coisa “grande” para Deus. Sem contar, às vezes, que a nossa própria carne consegue nublar o nosso entendimento.

Podemos encontrar a visão de Deus através das Escrituras. Não existe um único texto bíblico no qual possamos basearnos para entender a completa e suficiente visão de Deus. Precisamos entender e conhecer toda a Escritura, se desejamos discernir a visão de Deus hoje.

E mais, acho que uma só igreja particular (leia-se denominação ou ministério) não tem toda a visão de Deus. A “Igreja una” é portadora desta visão.

Ao mesmo tempo, a visão tem que ser entendida e contextualizada culturalmente para poder ser desenvolvida eficazmente na sua igreja local. Porém, esta visão não é uma visão personalista, ou localista.

Não é personalista, porque não é uma visão de um líder, mas é de Deus para o povo de Deus. Se o líder acha que ele é o dono da visão, então poderemos enfrentar grandes dificuldades e sérios problemas causados pelo próprio líder.

Infelizmente, podemos ver muita dor e sofrimento, quando observamos uma igreja local que faz uma distorção, espero que sem perceber, da visão de Deus. O primeiro que sofre sempre é o Pastor, mas também toda a igreja. Isto acontece porque monopoliza a visão de Deus para o seu povo, e não enxerga além de si mesmo. 

Ao mesmo tempo, se a visão é localista, perde a universalidade da visão de Deus e do propósito da Igreja que é una, santa, universal (católica) e apostólica. Ao mesmo tempo, o localismo enfrenta a grande tentação de cair no conceito de “nós contra o mundo.” Quando, na verdade, o lema da Igreja precisa ser “transformemos o mundo pelo poder do evangelho.”

O líder protege a visão, mas também precisa compartilhar a visão para que seja a visão de Deus para o povo de Deus. Os líderes precisamos compartilhar e difundir a visão de Deus (Neemias 2:12-18) sem medo de perder o protagonismo. Lembre que não somos imprescindíveis.  Quando a Igreja em certa localidade entende a visão no seu contexto social e cultural, então será agente de mudanças e transformação.

John Maxwell escreveu que "... o povo só toca o que vê..."

Quando a Igreja trabalha junto para chegar a um mesmo ponto, então a Igreja se move com um só alvo, para alcançar aquilo que Deus tem chamado a fazer. A visão nos mostra onde vamos e, portanto,  podemos olhar para o mesmo objetivo.

Por este motivo, o líder precisa compartilhar a cada culto, em cada mensagem, em cada estudo bíblico, a visão de Deus para a Igreja, sempre buscando a vontade e santidade de Deus. Do contrário, a igreja seguirá sem entender plenamente o que Deus está fazendo e onde Deus quer que cheguemos como Igreja local, particular e universal.

Jesus diz aos seus discípulos, “Não dizeis vós que ainda há quatro meses até a ceifa? eu, porém, vos digo: Erguei os vossos olhos e contemplai esses campos, que estão brancos para a ceifa." (João 4:35)

Jesus fez questão de compartilhar constantemente a visão de Deus, o que Deus desejava fazer no mundo e como este estava sendo transformado. E, lembrou aos seus discípulos, a missão de Deus para poder fazer desta visão uma realidade através da missão de Deus.

É interessante que, mesmo assim, os discípulos não entenderam plenamente a visão de Deus e a missão de Jesus na terra. Só depois da ressurreição a Igreja conseguiu finalmente entender os propósitos de Deus.

Possivelmente, isto foi o que aconteceu nos quarenta dias entre a ressurreição e ascensão ao Céu de Jesus. “... aparecendo-lhes por espaço de quarenta dias e falando das coisas concernentes ao reino de Deus” (Atos 1.3)

Hoje vemos muitas igrejas falando da visão de Deus para esta ou aquela igreja, mas qual é a visão de Deus para o mundo? E como Deus está chamando sua Igreja (local, particular e universal) para cumprir esta visão?

Quando conheçamos a resposta a estas perguntas, então seremos capazes de contextualizar as respostas, para depois transmitir com claridade a visão de Deus para a igreja à qual temos sido chamados a liderar, ensinar, pastorar e edificar para a glória de Deus.

– Soli Deo Gloria – 
+

0 comentários: