Natal, uma dia único


O Natal é um dia único na história da humanidade, porque Cristo nasceu. Deus se fez homem para a nossa salvação. Este tem que ser um tempo de profunda reflexão cristã.


"Há aqueles que lutam um dia; e por isso são muito bons;
Há aqueles que lutam muitos dias; e por isso são muito bons;
Há aqueles que lutam anos; e são melhores ainda;
Porém há aqueles que lutam toda a vida;
esses são os imprescindíveis."
- Bertold Brecht


A leitura do Novo Testamento de hoje (4º Domingo de Advento) nos lembra: “entre as quais sois também vós chamados para pertencerdes a Jesus Cristo” (Romanos 1.6).

Lendo este texto, lembramos de outros textos que falam que somos parte da “geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” (1 Pedro 2.9).

Em Romanos 8.28, São Paulo nos recorda que “Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.”

Se compreendemos estes textos no contexto absoluto do plano de Deus para a historia da humanidade, podemos entender que vivemos no tempo do Reino.

A Igreja de Deus é eleita por Deus para fazer visível o Reino de Deus nesta geração. Infelizmente, a Igreja tem sido incompleta na sua visão, devido a estranhas teologias que tem sido absorvidas pelas igrejas.

Temos uma responsabilidade de fazer visível este Reino no Brasil, mas isto implica muito mais que evangelizar. Isto implica ser agentes de transformação da sociedade, cultura, economia e visão do Brasil de hoje.

Esta é nossa responsabilidade, sermos bravos guerreiros de Cristo. Sermos santos (Ro. 1.7), sermos verdadeiros discipulos de Cristo e, como São Paulo, anunciarmos a fé que já está sendo proclamada em todas as nações do mundo.

Se desejamos ser fieis ao chamado recebido, então o primeiro passo é ter a certeza de que Deus é por nos, porque “Ele adestra as minhas mãos para a peleja, A ponto de vergarem os meus braços um arco de bronze” (Salmos 18.34).

Eu te amo, ó Senhor, minha força. O Senhor é a minha rocha, a minha fortaleza e o meu libertador; o meu Deus é o meu rochedo, em quem me refugio. Ele é o meu escudo e o poder que me salva, a minha torre alta” (Salmos 18.1-2)

Se desejamos alcançar as nações, será um grande erro tentar fazer isso com as nossas forças. Precisamos atuar como a Igreja de Deus, mas como atuar como Igreja quando estamos em uma crise tão grande de fé?

Precisamos de uma nova geração de Cristãos que recuperem o sentido de Judas 3 na sua plenitude, “Amados, embora estivesse muito ansioso por lhes escrever acerca da salvação que compartilhamos, senti que era necessário escrever-lhes insistindo que batalhassem pela fé uma vez por todas confiada aos santo.”

Os líderes cristãos tem a grande tentação, e o grave erro, de falar de novas doutrinas e da necessidade de novas reformas, quando na verdade estão pensando em formar novas igrejas.

A Reforma não foi a tentativa de formar uma nova igreja, mas foi o desejo de reformar a casa já existente. Eles não destruíram a casa já construída, e fizeram uma nova. Os reformadores trabalharam para mudar os costumes corruptos, as heresias e teologias errôneas que haviam entrado na igreja na Idade Media.

Ao mesmo tempo, acreditavam que estavam sendo fieis ao chamado de lutar pela fé que uma vez foi confiada aos santos.

Precisamos de uma nova geração que deseja viver, proteger e seguir esta mesma fé que foi confiada aos Cristãos do primeiro século. Viver este Evangelho, proteger a fé Cristã e seguir adiante no anuncio das Boas Novas de Jesus Cristo.

Precisamos de Cristãos que desejam tomar este desafio e ser agentes de transformação do mundo através do poder do Evangelho.

A Igreja precisa abrir os olhos, desejar oferecer um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus (Ro. 12.1) e ser embaixadores do Reino de Deus (2 Cor. 5.20).

Se temos a certeza que o pouco em nossas mãos pode fazer muito, quando é para a gloria de Deus, então podemos estar preparados para ver o maior dos milagres: O Reino de Deus.

O Reino de Deus já está aqui no meio de nós. O Natal começa no Nascimento. Foi este nascimento que levantou um povo eleito neste nova era vitoriosa da Igreja. Se acreditássemos, poderíamos ver uma Igreja militante avançando, sem ser detida por nada do mundo, nem demônios, nem políticos, nem corrupção, nem mentiras, nem falsidades, nem enganos.

Somos chamados a ser santos, somos chamados a ser parte do povo eleito de Deus. Será que a Igreja de Deus está pronta a viver a graça de Deus na sua plenitude?

Em cada culto, proclamamos:

Cristo morreu
Cristo ressuscitou
Cristo voltara

Está grande verdade que é proclamada precisa ser vivida pela Igreja.

Não podemos seguir calados, não podemos seguir sendo passivos, não podemos seguir sendo... “crentes.” Precisamos ser discípulos, porque cada vez que decidimos não olhar ao nosso redor, e calamos... muitos seguem sem descobrir o poder transformador do Reino de Deus.

Não podemos seguir entregando o poder aos políticos, aos sindicatos, a mídia, precisamos ser a voz do povo. Temos uma mensagem, temos uma esperança e temos o segredo nas nossas mãos, o amor de Deus nos transformou e, agora, estamos chamados a ser transformadores no amor de Deus.

Quando calamos nossa voz, outros levantam sua voz, muitas vezes comunicando uma mensagem oposta aos princípios bíblicos do Reino.

A corrupção, a perversão, a indiferença, a miséria, a pornografia, o aborto, as injustiças e tantos outros males da nossa sociedade são fruto das vozes que se mantiveram silenciosas diante da iniquidade da sociedade.

Irmãos e irmãs, somos os eleitos de Deus. Não podemos seguir neste caminho sem sentido.

Os que mantiveram silencio quando precisavam gritar,
Os que baixaram os braços quando deviam levantar,
Os que fecharam os olhos quando deviam ver as condições do mundo

Todos os que ocultaram a mensagem de Cristo por vergonha, por temor a rejeição, ou por indiferença: todos eles são também construtores do mundo em que vivemos hoje.

Não sejamos como aqueles do poema “E Não Sobrou Ninguém” do pastor luterano Martin Niemöller:

"Quando os nazistas levaram os comunistas,
eu calei-me,
porque, afinal,
eu não era comunista.
Quando eles prenderam os sociais-democratas,
eu calei-me,
porque, afinal,
eu não era social-democrata.
Quando eles levaram os sindicalistas,
eu não protestei,
porque, afinal,
eu não era sindicalista.
Quando levaram os judeus,
eu não protestei,
porque, afinal,
eu não era judeu.
Quando eles me levaram,
não havia mais quem protestasse"

Pertencemos a Jesus Cristo, como podemos acreditar por um momento que falar de Jesus Cristo, viver os seus ensinos e construir o Seu Reino com Ele, pode ser alguma coisa prescindível

NÃO É.

A graça de Deus, se é verdadeira, contagia.

Precisamos contagiar este mundo de amor, fé e esperança. Precisamos ser portadores de Boas Novas, não só de palavra... mas também em obra santa.

Se você acreditasse no poder que tem a Igreja, então poderias ver a Igreja com a capacidade de mudar o mundo ao redor. Podes, deves, contagiar o amor, a graça e a esperança que tem dentro de você.

Você e eu, juntos como Igreja viva, podemos fazer que o brasil de hoje veja pela primeira vez o Reino de Deus.

Mostremos o verdadeiro e único caminho, façamos que o mundo se contagie de Cristo e Deus seja glorificado no meio de nós.

Não feches mais os teus olhos. É o tempo e a hora certa para abrir os olhos ao mundo que está por vir... o mundo que estamos construindo.

Certamente, ha tanto que temos herdado de iniquidade e tanto que temos aprendido errado, como medo, vergonha, violência, ignorância, pobreza, e tantas outras coisas.

Gerações inteiras que tem sofrido tanta dor, sofrimento, estes males que tem oprimido povos, nações e pessoas. Não permitindo viver as bençaos prometidas por Cristo.

Você pode ajudar a mudar esta realidade. Você pode viver esta verdade, e caminhar a trilha que poucos tem feito antes de você. Pode ser que requeira muito mais do que você pode imaginar, inclusive sua própria vida. Porém, você será um verdadeiro embaixador de Cristo, um agente de mudança e um guerreiro do Reino.

É tempo de levantar sua voz e que o mundo possa ouvir que “SOMOS O POVO ELEITO DE DEUS. JESUCRISTO É O REI DE REIS E SENHOR DE SENHORES”

Lembre que o Natal começa no Nascimento, mas sua plenitude é no Reino de Deus.

Que Deus seja glorificado através das nossas vidas, e que o amor e a graça de Deus nos transforme para ser verdadeiros discípulos de Cristo nesta geração.

Feliz Natal!!!

0 comentários: