Levanta-te contra a violência

crime e morte no brasil

A violência parece que não termina de desaparecer causando dor e perdas de vida nas cidades do Brasil e do mundo. Os cristãos não podemos permanecer calados diante de tal situação.


"O violento recruta o seu próximo e o leva por um caminho ruim" - Provérbios 16:29


No ano 1992, quando o ETA (grupo terrorista na Espanha) assassinou o professor da Universidade Autônoma de Madrid, Francisco Tomás y Valiente, surgiu uma iniciativa espontânea de um grupo de professores, estudantes e trabalhadores, com as mãos dos estudantes para a frente e as palmas das mãos pintadas de branco apresentaram a rejeição da violência e o compromisso com a paz.

Depois da morte de um vereador, Miguel Angel Blanco, a sociedade cansou de tanta violência sem razão de ser. Não conseguiam seguir suportando o derramamento de sangue inocente. E tomaram as ruas para protestar contra a violência e recuperar a rua pela paz.

Hoje, preciso falar diante da violência no Rio de Janeiro, e não ficar por mais tempo calado, condeno fortemente e sem reservas os ataques violentos e as bombas incendiárias contra carros e ônibus que estão acontecendo agora mesmo no Rio de Janeiro.
Sou totalmente contra estas ações que buscam intimidar as pessoas e, ao mesmo tempo, tentam quebrar a paz e o desenvolvimento de uma cidade maravilhosa como Rio de Janeiro.

Chamo os cristãos a arrepender-se da sua falta de compromisso a favor da paz e contra os sistemas perversos que existem nas favelas do Rio de Janeiro. Muitas vezes os líderes cristãos tem estado mais preocupados da vida dentro das quatro paredes do templo e o seu conforto, quando deveriam haver estado mais preocupados de transformar a cidade de Rio de Janeiro e fazer o Reino de Deus visível.

Irmãos, temos sido acomodados, e temos pecado contra Deus permitindo que o pecado crescera em meio nosso. É tempo de mudar e ser agentes de transformação, porque o Rio de Janeiro precisa da Igreja.

Rio de Janeiro vive um momento muito difícil na sua história recente. Os bandidos e criminosos tentam uma vez mais dobrar o governo eleito democraticamente e causar pânico entre os moradores do Rio de Janeiro, mas não vão sair vitoriosos, se a população unida decidir a favor da paz, da prosperidade e da pacificação para deste modo construir um novo dia e voltar a cidade maravilhosa que o Rio já foi. 

Portanto, desejo fazer um chamado ao governo a seguir firme contra a violência, e não cair na tentação de ultrapassar suas funções pacificadoras e cair em posições contrárias a lei. Oremos para que o governo tome as decisões corretas e seja um agente pacificador e transformador de justiça.

Oremos pelos policiais que tentam trazer paz e segurança a esta cidade que todos amamos e estimamos. Oramos para que a policia possa trazer a justiça rapidamente aqueles que estão envolvidos nestes atos violentos contra os homens e mulheres de Rio de Janeiro.

Como Cristãos, e com nossos outros irmãos brasileiros, oremos que Deus proteja todos e cada um dos moradores do Rio de Janeiro contra os ataques violentos dos criminosos.

esperança no rio de janeiro
Quero fazer um chamado a todos os cristãos, e moradores do Rio de Janeiro, para mostrar a nossa repulsa a violência e contra os assassinos. Convido a todos a colocar um tecido (ou pano, ou camiseta) branco nas janelas como sinal de que estamos cansados da violência indiscriminada e de viver com medo. E usar laços brancos nas camisas e jaquetas como sinal de que somos a favor da paz e o fim da violência.

É tempo de levantar-se, de recuperar a cidade, e viver em paz.

Não permitamos que aqueles que promovem a violência pelos seus interesses pessoais, vejam seus planos sair triunfantes. Que possamos estar juntos contra os grupos criminosos e os seus planos perversos.

Continuaremos orando pela paz no Rio de Janeiro, e continuaremos acreditando que a cultura do Reino mudará esta história.

Um comentário:

  1. Parabéns pelo post, Bispo Rossello. Sobre essa questão, há um silêncio e inação alarmantes por parte dos cristãos brasileiros. Mas é oportuno lembrar que, cinco anos atrás, lideranças evangélicas cariocas publicaram sim um manifesto a respeito disso, entregue às autoridades estaduais, municipais e federais e amplamente divulgado na grande mídia. O texto pode ser acessado aqui: http://tinyurl.com/22ojjej É preciso lembrar também que, historicamente, o protestantismo nacional sempre enfrentou discriminação e perseguição. Mesmo que hoje tal oposição esteja bem diminuída, ela ainda se faz presente: basta ver a implicância de boa parte da imprensa com jogadores evangélicos que manifestam sua fé em campo, e o silêncio ou aprovação tácita daquela quando é um católico ou macumbeiro que faz a mesma coisa. Isso favoreceu o surgimento uma espécie de cultura de gueto, pois a preocupação maior das igrejas era a própria preservação, não criando problemas com as autoridades, afirmando seu compromisso explícito com a ordem social (o Cantor Cristão, hinário batista, traz incluso o Hino Nacional e o Hino da Bandeira, por exemplo), preocupando-se apenas com a salvação das almas perdidas e deixando de lado, por ora, qualquer pretensão de confrontar as iniquidades sociais com sua mensagem profética. Nesse sentido, é necessário uma mudança de mentalidade, mas superar algo tão entranhado assim na cultura do povo de Deus é o grande desafio de líderes locais como o irmão. Que Deus o abençoe e o ilumine em seu ministério!

    ResponderExcluir