300, preparem-se para a glória


Este foi o título de um filme que estreou em 2007. Nele, podemos ter uma visão particular do diretor sobre os eventos transcorridos ao redor da Batalha das Termópilas, onde 300 espartanos sob o comando de seu rei Leónidas, enfrentaram o exército persa liderado por Xerxes, filho de Dario.

Esta história conta o heroísmo de irmãos de armas dispostos a morrer pelo seu povo, o qual está as portas de perder a liberdade.

Ao final da batalha, a maioria destes guerreiros entregariam suas vidas no campo de batalha com a certeza do dever cumprido e a glória de uma morte digna.

Será que podemos encontrar 300 homens de Deus no Brasil com estas características hoje?

Esta história lembra-me outro herói, John Wesley. Ele enfrentou uma nação para que o Reino de Deus fosse estabelecido na Inglaterra do século 18. Ele diz uma vez, “dá-me cem homens que amam só Deus com todo seu coração e odeiam o pecado com todo o coração e agitaremos as portas do inferno e traremos o reino de Deus em uma geração.”

Observando o Brasil de hoje, e o estado da Igreja, me pergunto, “será que ainda podemos encontrar 300 homens de Deus com um coração como o que Wesley falou e dispostos a seguir o exemplo dos espartanos a favor do povo de Deus e do Brasil?”

Estes são os homens que mudarão o Brasil. Aqueles que os políticos corruptos e os pastores picaretas temeram mais que a própria morte. Porque serão homens que nada temem, nem nada tem para perder, já que sua recompensa será encontrada só no Reino de Deus.

300 homens dispostos a levantar a Igreja da ruína que hoje se encontra em meio nós e a enfrentar os lobos que estão convertendo a noiva de Cristo (a Igreja) na sinagoga de satanás. Nunca dispostos a comprometer-se com outra coisa que não seja o Evangelho, a santidade e ao senhorio de Cristo.

Será que ainda existem homens de Deus assim no Brasil?

Homens sem medo a enfrentar os seus temores, só com o desejo de fazer realidade os sonhos de Deus. Dispostos a que seu sangue derramado seja só para a glória de Deus, e sabendo que sua luta, ainda que não vejam a vitória, será parte dela.

Se Deus, na sua graça, me desse 300 homens assim. Teria a certeza de que a Igreja de Deus seria vista no seu total esplendor... e as portas do inferno não prevaleceriam contra ela.

Não são emoções, nem sentimentos, de um dia ou um mês. Escrevo de homens que vivem os ensinos de Cristo, odeiam o pecado, tanto quanto amam a Deus e sua Igreja. Homens que não duvidam em escolher o caminho difícil, e nunca o caminho fácil, porque reconhecem o valor de fazer o caminho muito além do próprio feito de chegar.

Homens preparados para a glória, a verdadeira glória. Homens de Deus... de verdade, os que não desejam títulos, ou reconhecimentos, nem aplausos, porque a maior glória é quando Deus é glorificado, sem eles serem percebidos. Porém dispostos a servir com coração contente e entregue, e amando o mundo em obediência a Deus.

Afinal, ser um guerreiro de honra e coragem, em um mundo cheio de violência e desonra, é ser um discípulo de Cristo sem meias tintas.

Será que ainda existem?

Hoje, minha oração é por estes 300 homens onde seja que vocês estejam no Brasil. Vocês já não estão mais sós, agora vocês tem um novo compatriota disposto a lutar e morrer para que o reino de Deus seja feito visível no meio de nós... e a glória seja dada a nosso Deus.

Quando nos encontremos, e vamos a encontrar-nos, poderemos olhar uns aos outros cara a cara, e sem mediar palavra, saber que a batalha está na nossa frente, mas a vitória é nossa. E, um dia, aqueles que sobrevivam, olharão para atrás e dirão, "eu fui um dos 300 homens que Deus levantou para transformar o Brasil nesta terra que é hoje."

Será que você pode ser um deles? Está preparado para a glória?

Que Deus sempre esteja conosco, pecadores e covardes que precisamos da coragem do Espírito e o exemplo de Cristo na cruz.
.

6 comentários:

  1. Que Deus ilumine e fortaleça a cada um de nós, cristãos, para sermos mais fiéis e abnegados no cumprimento da missão que nos foi dada. Pessoalmente, em minhas orações sempre rogo a Deus por reforma e avivamento no Brasil, e peço perdão pela minha negligência e falha em fazer a minha parte como filho dEle. A história de heróis da fé como os mártires, confessores, puritanos, peregrinos e outros da história do cristianismo é sempre uma fonte de inspiração e de preciosas lições. Não concordo com a teologia de Wesley e de seus metodistas, mas isso não me impede de tê-lo como homem de Deus.

    Vanderson M. da Silva

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado pelo seu comentario, e participar em este blog.

    Como uma pessoa reformada, sem duvida entendo o que você diz quando fala que "não concorda com a teologia Wesley e de seus metodistas". Porém, eles são um grande desafio na sua paixão por anunciar e pregar o Evangelho de Cristo no século XVIII e XIX.

    Deus te abençoe muito, amado.

    ResponderExcluir
  3. Prezado Bispo Josep Rossello,
    Parabéns pelo blog. Já estou seguindo e também o incluí no meu bloglist lá no Point Rhema
    www.pointrhema.blogspot.com
    Confira!

    Fique na Paz do Senhor!

    Seu conservo em Cristo,
    Pr. Carlos Roberto

    ResponderExcluir
  4. Muito obrigado, Pr. Carlos Roberto. Parabéns pelo seu grande blog.

    ResponderExcluir
  5. realmente bispo...ser um dos trezentos envolve grande renuncia...de privílegios...de comforto...de mentalidade é uma ruptura...peço todos os dias a Deus...que renove meu entendimento..que tenha missericordia de min que transforme minha vida a imagem de seu filho Jesus...que perdoe nossas deficienia,erros fracasos... limitaçoese ate crises de fé.que minha fé seja ao menos proxima a um grao de mostarda...para que se nao posso transportar os montes por ela...mas que seja capaz de manter viva minha esperança...que Deus nos ajúde nessa tarefa de ao menos ser un dos trezenos

    ResponderExcluir
  6. Desculpem os irmãos, mas Wesley é um assunto que conheço e muito bem, afinal, fui metodista por 20 anos, dos quais 9 como pastor daquela denominação. Sinceramente, Wesley e Whitefield, um arminiano e um calvinista, estavam além dessas disputas, pois sabiam o estado de morbidez que vivia a Igreja da Inglaterra no século XVIII. Para aqueles metodistas primevos o que mais interessava eram as pessoas, não as doutrinas.
    Quem me conhece sabe que eu não desprezo a doutrina cristã, ao contrário. O que precisamos é ter um coração centrado em Deus.
    Estou cansado de ver crentes defendendo a sua religião, e não o Senhorio de Cristo.
    Com amor,

    Rev. Virgilio+

    ResponderExcluir